domingo, 12 de junho de 2011

[Resenha] Darker than Black


  Darker than Black é uma criação do estúdio de animação Bones e o roteirista Tensai Okamura, originalmente era uma série de animação em 26 episódios que devido à grande popularidade ganhou uma nova temporada de 12 episódios, 5 OVAs e acabou ganhando também duas adaptações em mangá. O mangá lançado aqui no Brasil é a série "Darker than Black" que foi publicada na Asuka (revista shoujo da Kadokawa famosa por abrigar diversas adaptações de animê). Há também o mangá Darker than Black: Shikkoku no Hana que se passa no espaço de tempo entre as duas temporadas do anime e foi publicado na revista seinen Young Gangan da Square Enix.

  A série em dois volumes Darker than Black lançada aqui se passa em um espaço de tempo indeterminado antes do final da primeira temporada da série, provavelmente antes da Yin entrar para a equipe (já que ela só aparece em uma ilustração extra no final do volume) e é como se fosse mais um dos casos apresentados na série.
Um glossário básico para os que não conhecem a série:

Hell's Gate: Uma área em Tokyo que surgiu há cerca de dez anos, junto com ele apareceram os Contratantes. As pessoas não podem ir até o Hell's Gate, a maioria das pessoas que vão até lá morrem misteriosamente, para isolar a área o Governo construiu um gigantesco muro em torno dele.

Dolls: São pessoas que perdem todos os traços de humanidade, precisam ser programados para fazer as coisas, teoricamente não possuem vontade própria, são como "bonecas". Uma das habilidades principais dos Dolls é que eles podem projetar "espíritos espiões" para espionar inimigos entre outras funções.

Contratantes: São pessoas que fizeram um contrato, ou seja, elas deram sua "alma" em troca de habilidades paranormais. Depois de usar suas habilidades eles precisam fazer uma compensação, uma espécie de pagamento pelo uso de seus poderes paranormais, entre alguns tipos de compensações há contratantes que bebem, que fumam, que vomitam, bebem leite, bebem sangue de crianças...

  O mangá gira em torno de Hana Shinou, uma garota cujo pai foi assassinado um ano atrás e de repente quando ela está na rua esbarra por acidente em seu pai. Ela começa a investigar a morte de seu pai apesar de todas as pessoas à sua volta dizerem que isso é loucura, que o pai dela está morto e ela deveria aceitar isso.
  No meio de sua investigação ela assiste sem querer à estranha briga entre Klang e Hei. Depois dessa luta Hei apaga a memória de Hana que volta a viver sua vida normal, mas Hana não se esquece de tudo e continua investigando Klang e a estranha organização chamada Wiegenlied e se vê em encrenca quando descobre que os sujeitos dessa organização possuem poderes paranormais (são contratantes), daí então ela é salva por Hei, suas memórias apagadas voltam e ela se vê tragada nessa trama misteriosa envolvendo guerras entre organizações secretas e qual a relação disso tudo com seu pai que deveria estar morto.

  A trama do mangá é bem parecida com as tramas do anime, senti falta apenas da Yin, teve quem dissesse que o Hei do mangá é mais emotivo que o do anime, eu não vi diferença  nenhuma entre os dois. Como eu já disse é como se o mangá fosse um extra do anime, mais uma história inédita. Até agora não acrescentou nada de novo, mas é legal para quem já assistiu à série e sente saudades dos personagens, mas se você ainda não conhece a série e gostaria de conhecê-la o mangá também é um bom ponto de introdução.

  A arte é bonita e um tanto quanto delicada se for comparar com a do anime, pode-se dizer que a arte foi "shoujoficada", mas a trama está no mesmo patamar da animação. Aliás, a arte é bem competente, se a capa fosse mais elaborada faria mais justiça à artista. Falando na capa ela foi repetida dos dois lados, não que houvesse alguma coisa interessante no verso. Na parte de dentro da capa há uma ilustração colorida muito bonitinha por sinal. A adaptação ficou bacana, nenhuma gíria esdrúxula, nem nada exageradamente otaku. Os honoríficos foram mantidos, a edição de imagens está competente. O formato do do mangá (13x18, quadradão) me agrada, pois ao mesmo tempo que há espaço de sobra para as beiradas não é grande demais como o formatão, nem pequeno demais como o formatinho que diminui demais o tamanho dos desenhos e letras.

  É um bom mangá para quem sente falta de mangás de mistério. Faz tempo que não aparece nenhum mangá de mistério/detetive em nossas bancas e espero que depois desse venham mais. Não é a primeira vez que a Panini lança mangás dos animes do estúdio Bones, ano passado tivemos Wolf's Rain e Eureka SeveN (será que pode vir mais coisas como Heroman e Star Driver: Kagayaki no Takuto?), se a intenção é lançar mangás curtos de animes famosos Mahou Shoujo Madoka Magica seria uma ótima opção.


Capa original e capa na versão da Panini

  Como já disse antes, é um bom mangá para quem quer conhecer a linha Darker than Black ou sente saudades da série. Como esperado de um mangá de apenas dois volumes não é um mangá incrível, mas também não é um mangá ruim (como Wolf's Rain ~_~U), é um mangá bem mais ou menos (como a série animada).

Título: Darker than Black
Autoria: BONES e Tensai Okamura (roteiro) e Nokiya (arte)
Formato: 13 x 18, 190 páginas
Duração: 2 volumes
Periodicidade: Bimestral
Preço: R$9,90
Demográfico: Shoujo
Gênero: Mistério, Paranormal

12 comentários:

Mangá e anime disse...

Oi
esperor Que vc de uma olha no meu blog animangacenterbbrasil.blogspot.com eu sou um seguidor do seu blog e espero q vc tbm seja um seguidor do meu blog e curti muito sua postagm. Estou te esperando.

lhk disse...

Ei kuroi, pretende fazer um review do 07 ghost? li o primeiro volume e até achei bem interessante apesar de umas leves tendencias yaoi o.o

Kuroi disse...

Acho que vou acabar pegando sim, todo mundo está falando bem dele e fiquei curioso. O problema é que é mais um pra coleção ~_~U, se for bom nem tem como parar...

Ikari387 disse...

Ainda pretendo ler o mangá, mesmo que emprestado. Apesar de ter gostado do anime, no momento, sem condições de começar mais uma coleção... rs

Excelente resenha, Kuroi. Pela sinopse que li (na Amazon), tive a impressão que vc bem descreveu no post. ^^

Kuroi disse...

Valeu, Ikari, sei bem como é isso de estar com coleções demais. O ponto posiivo desse DTB é q são só dois volumes. xD

Eduardo disse...

Esse mangá é ruim ao extremo, quase taquei no chão depois de ver o Hei que parece *censurado*. Pra quem for comprar ainda não é uma boa pedida, a série animada é uma das minha favoritas e atualmente fica como uma das que eu dei nota 10 ( de 100 animes que eu vi 10% levou essa nota ), aquilo foi uma morte ao mangá, sinceramente se tivesse visto aquilo antes de comprar jamais teria comprado, teria pago alguma coleção minha que tá atrasada ( Black lagoon, Berserk, DGM, etc ) so vou comprar o vol 2 mesmo por ser o final, teria valido mais se fosse a outra adaptação da série. DTB sem Yin = nada.

Cássio disse...

dois volumes são excelentes. ja colecionei o eureka seven e que agora venha darker than black. esperar pra chegar aqui na fase dois. mas imagina se a panini lança star driver, vou morrer. aliás voce sabe quanto volumes tem no japão? não consigo achar essa informação. =) valeu pela resenha.

Kuroi disse...

Duas opiniões extremadas, a minha é morna xD.

Sobre Stardriver da última vez que vi estava em publicação com um volume ainda.

Ceci1011 disse...

Eu vi só o 1° episódio do anime (fiz isso com o 07-ghost),não fui muito com a cara dele,mas pensei 2 vezes antes de comprar pois descobri que o mangá era inspirado no anime,dai desisti,me lembrei de Code Geass...

Só uma perguntinha Kuroi,Você sabe quando sai DW (Deadman Wonderland)?

Stardriver é insipirado no Anime também,então deve tá nos primeiros,segundos volumes.

Kuroi disse...

Olha Ceci, tem mangás inspirados nos animes que são bacanas: Eureka SeveN, The voices of a distant star. O que eu achei bacana em Darker than Black é que o mangá se passa antes dos eventos da animação, então é uma boa pedida pra quem quer começar a ver a animação ou já viu o anime todo e quer descobrir mais sobre as origens daquilo.

O anime eu achei mais ou menos, os primeiros episódios foram bem bacanas, mas depois cai na fórmula: Aparece um contrante aleatório + problemas + Hei fodão resolve tudo. Os bons episódios IMHO são quando há desenvolvimento de personagens (tipo a Yin/Kirsi), o principal problema da franquia é que as coisas ficam muito monótonas e nunca há a explicação de que raios é o tal Hell's Gate, nem pq raios os contratantes existem ou as origens dos poderes deles.

O mangá de Stardriver começou a sair antes do anime estrear, disso eu tenho certeza pq já estava saindo quando o Wolf's Rain foi lançado. E a resenha de Wolf's Rain nem acabou saindo ~_~U.

Acho que Deadman Wonderland sai em julho/agosto mesmo.

Juhlihannah disse...

Bem legal, já ouvi falar do manga, me parece muito bom. A capa que a panini fez ficou bem mais "sangrenta" gostei ^^

Luciano disse...

bacana a review, porém, como já vi o anime, não comprarei esta edição lançada pela panini, isso pq nao é falta de opção e sim porque estou com muitos mangás pra comprar. =D