sexta-feira, 13 de maio de 2011

[RESENHA] Kimi ni Todoke


  Depois de muita ansiedade e expectativa finalmente Kimi ni Todoke, o shoujo mais aguardado dos últimos tempos chega às bancas brasileiras através da Panini.Kimi ni Todoke começou a ser publicado em 2006 na Bessatsu Margaret (que também é casa de Lovecom, Kokou Debut, Aozora Yell, Tora to Ookami, Strobe Edge e Itazura na Kiss), a princípio como um one-shot e então foi transformado em uma série. Kimi ni Todoke já está em seu 13º volume (e tem material para bem mais volumes) no Japão, ganhou duas temporadas de anime (uma de 25 episódios e a segunda de 12). Já lançaram 11 volumes de light novels por duas autoras diferentes e a série também foi levada aos cinemas em uma adaptação com atores reais (e fez muito bem nas bilheterias). Se considerarmos que NANA está parado há cerca de dois anos Kimi ni Todoke é o shoujo em andamento mais vendido no Japão, cada um de seus volumes vende pelo menos 1 milhão de exemplares na terra do sol nascente. Kimi ni Todoke é um sucesso por todo mundo e não foi surpresa nenhuma para mim ver que o mangá está esgotado em todas as bancas de Niterói e da cidade do Rio de Janeiro em que eu estive (isso uma semana após o lançamento).

  Kimi ni Todoke conta a história de Sawako Kuronuma, uma garota gentil e doce, mas que sofre bullying de toda a sua turma por ser estranha. Sawako é pálida, magra, tem cabelos negros compridos, ela se parece com as tradicionais bonecas japonesas (que são assustadoras, diga-se de passagem) por estes motivos e por causa do seu nome (Sawako) ela ganhou o apelido de Sadako. Sadako é o nome da protagonista da versão original (japonesa) de Ring: O Chamado. Aparentemente ninguém na escola lembra como ela se chama de verdade e todos a chamam apenas por Sadako, pelas suas costas, é claro, já que ninguém fala com ela. Boatos infundados dizem que quem olhar por mais de 3 segundos para ela ou conversar com ela é amaldiçoado e sofrerá uma desgraça em breve. Com isso Sawako não fala com ninguém e vive sozinha e esquecida a unica pessoa que fala com ela é Shouta Kazehaya, o garoto mais popular da escola.
  Durante o fim do primeiro semestre Kazehaya propõe a todos fazer um teste de coragem, ele quer que Sawako se junte a todos na atividade, mas ela acaba tendo um papel bem diferente do esperado.

  Kimi ni Todoke é um mangá muito especial, ele fala de bullying, sobre se aceitar como você é. A Sawako apesar do bullying vai conquistando amigos aos pouquinhos e aprende que ficar sozinha não é legal, como é bom ter amigos de verdade. Sawako é uma garota muito amável apesar da aparência assustadora para alguns e da sua falta de jeito (talvez proveniente da própria falta de socialização).

  A edição da Panini está muito boa (reconstruíram cenários e retículas bem complicados), as vezes parece que há grandes espaços vazios apagados, mas no original eles eram assim mesmo (eu chequei o original). Talvez a equipe de edição devesse utilizar letras maiores para ocupar melhor o espaço vazio que dá uma impressão de que teve algo apagado. Kimi ni Todoke tem um único erro infeliz, no verso da capa há um resuminho da história e nele a palavra chance está escrita sem o n (chace). Descontando isso a edição está perfeita.
  A ilustração da capa foi levemente cortada para se adequar ao formatão (13,7 x 20), no original a capa e o verso eram diferentes, mas na versão brasileira a capa foi repetida dos dois lados (provavelmente por causa de nossos jornaleiros capacitados que guardam os mangás como se fossem revistas ocidentais), mas não se preocupem, a ilustração que vinha originalmente na segunda capa veio em uma das capas internas, as imagens coloridas que vinham na capa e orelhas foram movidas para a parte interna das capas.
  Não há adaptações escabrosas, foram mantidas as referências originais (explicadas no glossário), os honoríficos. Uma bela surpresa foi notar o uso das fontes diferentes. Cada situação que exigia uma fonte diferente foi respeitada. A Sawako que fala de forma assustadora recebeu uma fonte muito bacana que passa a sensação de terror que a Sawako provoca nas pessoas. As falas estão bem centralizadas também. Só não gostei muito da fonte escolhida para os freetalks, ela passa uma impressão de letra cursiva e é meio confusa às vezes, o a+l parece um d.
  Outra coisa que me espantou foi o serviço do mangá o título consta como se fosse uma publicação de fevereiro, mas estamos em maio.

  Kimi ni Todoke é um mangá muito bom, recomendo a todos que gostem de romances, o primeiro volume é ótimo e a história só melhora a partir daí. Preciso confessar que conheci a obra através do anime e acho o anime mais "mágico" do que o mangá original, a arte do mangá é inferior(levemente) à do anime e as coisas se desenvolvem um pouco mais rápido no mangá. Vale a pena comprar Kimi ni Todoke.

Título: Kimi ni Todoke (Que chegue até você)
Autora: Karuho Shiina
Formato: 13,7 x 20cm (Formatão)
Duração: 13 volumes até o momento, em andamento no Japão
Periodicidade: Bimestral (??)
Preço: R$9,90
Demográfico: Shoujo
Gênero: Romance, Vida Escolar

10 comentários:

Pedro @snoopy_xxy disse...

No momento não compro mangás por estar desempregado, mas não sei se compraria kimi ni todoke... Tem bullying que é um assunto muito interessante, mas confesso que shoujos escolares já não chamam tanto a minha atenção como antigamente. Enfim, quem sabe eu acabe comprando pelo menos o volume 1? Desejo sucesso a esta série

Cássio disse...

nossa. nem reparei nesse N que estava faltando. hehehe
eu tbm conheci a serie atraves do anime e foi amor a pimeira vista. é o primeiro shoujo que compro. ainda to me acostumando com a distribuição dos quadros da página. com certeza é um ecelente investimento.

Jaqueline disse...

Achei o máximo isso^^
Conheci a serie através de você =p Com certeza já esta na minha estante o/

Kuroi disse...

Jackie!! \o/

Juhlihannah disse...

Oi, gostei muuito do seu blog! Já começei a ler essa semana o kimi ni todoke, já no primeiro achei legal!
Etou te seguindo, se guiser segue o meu blog também! XOXO <3

http://feveryoung.blogspot.com/

Luka disse...

Bom de mais, a Panini fez um ótimo trabalho. Eu também achei o traço da autora estranho, será que melhora? Enfim, parabéns pela resenha e que a Panini continue lançando mangás ótimos como KnT.

Kuroi disse...

Valeu, Luka. o/
A tendência é sempre melhorar, nos primeiros volumes os autores ainda estão "conhecendo" os personagens.

Alicia Blackrose Fox disse...

Kimi ni Todoke é excelente,assisto o anime(ainda na primeira temp XD),e o mangá é otimo,eu realmente acho o traço lindo,adoro esses traços mais "exóticos" tipo kimi ni todoke,sugar sugar rune,e tbm gosto desses tipo kaichou,vampire knight,não vejo muita graça nesses bem simplórios,com cara redonda,olhos grandes e boca de "risquinho"! mais ainda sim gosto dependendo dos detalhes e tals ^^

Larissa disse...

"provavelmente por causa de nossos jornaleiros capacitados que guardam os mangás como se fossem revistas ocidentais" /rindo

Bem! Eu quase tive um faniquito quando vi o mangá na banca e comprei na hora, sem pensar duas vezes. Confesso que já tô saturada de shoujo-na-escola, mas Kimi ni Todoke é uma história tão linda, tããão linda, que não importa onde/quando ela passa, né.

(E como eu comecei lendo o mangá ao invés de assistindo o anime, ele tem um lugar especial no meu coração =P)

Sua review ficou muito boa! Eu vou passar a acompanhar o blog depois dessa \o/

Isa Phantomhive Sturluson disse...

esse mangá é maravilhoso,o anime tambem. eu só consegui comprar o primeiro volume pela internet por que esgotou,foi um dos meus primeiros mangás