terça-feira, 21 de setembro de 2010

[Resenha] As Estrelas Cantam (Hoshi wa Utau)

  As Estrelas Cantam: Hoshi wa Utau é um dos novos mangás da Panini, é lançado na Hana to Yume (casa de Fruits Basket, Angel Sanctuary, Conde Cain, Hana to Akuma e Skip Beat) que é uma antologia shoujo mensal. A série estreou no dia 05 de junho de 2007 e teve o primeiro tankohon colocado à venda no dia 18 de Janeiro de 2008, a série atualmente conta com nove volumes e teve um Drama CD lançado no dia 24 de fevereiro de 2010, ainda não há série animada ou dorama.
  A série foi lançada na França pela Editora Delcourt, na Espanha pela Norma Editorial, nos Estados Unidos pela Editora Chuang Yi e na Itália pela Editora Panini.

  Hoshi wa Utau conta a história de Sakuya Shiina, uma jovem que vive na casa do primo. Sakuya além de estudar trabalha meio-período para pagar parte das despesas da casa enquanto Kaname, seu primo, se dedica apenas à olaria. Ele é visto pelos vizinhos e pelos pais dos colegas de Sakuya como um vagabundo que se aproveita de uma menor para não fazer nada além de se dedicar a um hobby pouco lucrativo.
  Sakuya e seus amigos Yuuri Murakami e Hijiri Honjo formam o Hokan, o Clube de Observações Celestes. Hijiro Honjo é uma garota alta e bonita, mas maltrata bastante o pobre Yuuri Murakami que qualquer um consegue perceber desde o começo da história que é apaixonado pela Sakuya, Yuuri é um garoto popular e é um bom jogador de baseball.
  As coisas começam a andar quando um rapaz estranho chamado Chihiro aparece no jantar de 18 anos de Sakuya. Ela pensa que ele é um amigo de seu primo e não comenta nada. Eles passam uma noite agradável e Chihiro lhe dá um vestido da cor das pétalas da cerejeira de presente, quando ele vai embora para pegar o trem Sakuya lhe acompanha até a estação e no caminho ele diz tudo o que ela sempre quis ouvir.
  No dia seguinte Sakuya pergunta ao primo onde ele conheceu aquele amigo e ele responde que nunca o viu antes, que ele o enganou dizendo que era namorado dela. Kaname fica possesso com a cara de pau do garoto e quer queimar o vestido, mas Sakuya prefere guardá-lo e quer encontrá-lo de novo para perguntar a Chihiro o motivo de ter penetrado no jantar de 18 anos.

  O mangá é bastante poético e não tem nada da leveza e humor de Fruits Basket. As Estrelas Cantam é um drama e não combinou muito bem com o clima escolar. Seria mais interessante se a história se passasse em um ambiente de trabalho ao invés de uma escola. Acredito também que se a história fosse lançada em uma revista josei ou em alguma revista shoujo mais madura ela poderia ter sido trabalhada de uma forma melhor, apesar de conter temas como o primeiro amor a história é sombria e poética demais para ser lançada em uma revista shoujo como a Hana to Yume e aparenta ter perdido muito do potencial para se encaixar em um perfil de leitores mais jovens. Não desgostei da história, mas ela poderia render mais.

  A arte está boa, mas as expressões dos personagens não têm muita emoção, os cenários são poucos e as retículas estão lá, mas são bem escuras e não muito delicadas. A diferença entre o mangá publicado na antologia e o encadernado é perceptível, a autora deu muitos retoques e criou alguns novos quadros.

  A Panini optou por traduzir o título da série para o português e deixar o título original em menor destaque embaixo do nome brasileiro. Os honoríficos foram mantidos e está tudo bastante fiel. Em uma cena eles adaptaram "tirar no janken" como "sortear", eu reclamaria que é um exagero adaptar uma coisa dessas e praticamente todo mundo sabe o que é jan-ken-pon, ou pedra, papel e tesoura, mas o balão é minúsculo e não caberia escrito "vamos tirar no janken", então "vamos sortear" foi uma boa opção, de outra forma o texto ficaria ilegível de tão minúsculo.
  O mangá foi lançado em formatinho, como os outros títulos da Hakusensha. O problema do formatinho é que ele come as beiradas das páginas, as vezes isso dificulta ler um balão que fica próximo à beirada. Acredito que não há meio de aumentar a margem nos formatinhos, então a Panini deveria abandonar esse formato para novas séries. A edição é competente como sempre, não dá pra notar as diferenças entre os pedaços origianais e os pedaços editados das retículas. A capa brasileira se manteve quase fiel à capa original, e também há ilustrações coloridas no verso das capas. O segundo volume da história deve estar prestes a chegar nas bancas já que o volume 1 saiu no final de Julho (ou em Junho segundo o Checklist da Panini).
  A pergunta que fica é: Qual foi o critério usado para escolher o título? A autora tem mangá de um volume (Boku ga Utau to Kimi wa Warau Kara/Because you smile when I sing - 1999), tem Gen'ei Musou (Phantom Dream) de 5 volumes que foi lançado em 1994 e Tsubasa Those With Wings de 6 volumes lançado em 1996. Com tantos mangás curtos e concluidos escolher um mangá em andamento parece falta de nexo, mas também pode ter sido um licenciamento global por parte da Panini.
  Dou Três estrelas e Meia para o título, é um bom drama, mas poderia ser melhor se a autora se arriscasse mais e tivesse procurado um público mais velho.




















Título: As Estrelas Cantam (Hoshi wa Utau)
Autora: Natsuki Takaya
Demográfico: Shoujo
Gênero: Romance/Drama
Formato:11,4 x 17,7cm, 192 Páginas
Duração: 11 Volumes (Concluído)
Preço: R$9,90
Periodicidade: Bimestral (será?)

13 comentários:

Doug disse...

Oioi
Aproveitanto o post queria fazer algumas perguntas sobre como adquirir mangás pelas bancas de revistas.

Primeiro, em casos de mangás que chegam ao fim, não lançam mais, desde o começo, no próximo mês? Por exemplo, se este mês é publicado o último volume de vampire knight, no próximo mês (ou conforme é publicado) será lançado o número 1 ou não publicarão mais?

Segundo, há diferença na periodicidade de mangás, como faço para saber em qual mês será lançado os mangás que eu for comprar?

Aww, me sinto frustrado quanto a dificuldade para comprar mangás por aqui. ):

De toda forma obrigado, este blog é muito bom, facilitou muita coisa. '-'

Kadu disse...

Oi, Doug.

São raros os casos de um mangá que é relançado, isso só acontece em casos de extremo sucesso. Isso aconteceu com Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball Z que foram para as bancas várias vezes. Está acontecendo com Naruto também, o formato pocket está saindo agora e esta nova versão está corrigindo todos os erros da versão anterior, é uma nova chance para quem não acompanhou da primeira vez acompanhar agora. No caso de Vampire Knight ele está longe do final, mas acho bem provável que algum dia relancem o mangá em um formato de luxo, de qualquer forma redistribuição em bancas acontece só quando o mangá é muito bem sucedido, pode aocntecer com Vampire Knight, mas não aconteceria com um Homunculus, ou um Galism.

A periodicidade dos mangás varia, em geral os shonens de luta com muitos volumes são mensais, os shoujos são bimestrais e os seinens e shonens de temas menos populares costumam ser bimestrais também. Algumas vezes os mangás encostam com o lançamento no Japão, nesse caso a editora brasileira fica dependente do que é lançado no Japão, mangás como Vampire Knight costumam ter 2 volumes lançados por ano, então leva um tempo para sair muita coisa. Uma solução é acompanhar o mangá por scans enquanto não saem novos volumes no Brasil.

Para facilitar a compra de mangás eu fiz um post para pessoas como você que têm menos conhecimento na "arte de comprar mangás". Sugiro que dê uma olhada.

Halan disse...

Gostei da resenha.. deu uma luz ao meu ser e-e
Estava com dúvidas se comprava ou não esse mangá e concluí que não vou comprar... pelo menos não por enquanto. Ver um mangá com poucos volumes lançados e em andamento não dá muito ânimo para começar agora. Ainda sabendo que a história não empolgou muito... não quero começar nenhum título que vá abandonar mais tarde.. Talvez compre depois(bem depois).
Sobre o formatinho, só shoujos e naruto pocket são lançados assim, não? Acredito ser um formato para dar uma identidade ao mangá e diferenciar o gênero, assim como apenas shounens são lançados no formato médio e shoujos não. Não gosto muito desse formato, mas não acredito que a Panini abandone ele tão cedo :S

Kadu disse...

Halan, a Elza (ou foi a Beth?) foi bemn clara nas cartas de Otomen #06, cada editora escolhe um formato diferente. Tanto que os shoujos da Shueisha são lançados em formatão (Fullmoon, Aishiteruze Baby etc.).

Realmente, Hoshi wa Utau não vale muito a pena não.

Roberta disse...

aai ainda bem que li a sua resenha, tava aqui na duvida se estava perdendo ou nao uma boa história e enfim posso respirar aliviada. Não vou me arriscar á comprar não, investirei em Honey e Clover.

Kadu disse...

Roberta, Hoshi wa Utau, ou As Estrelas Cantam não é nem 1/10 do que Furuba era, mas ainda assim é um mangá divertido, eu gostei muito do segundo volume.
Só que eu concordo com você, entre investir em Honey & Clover e comprar Hoshi wa Utau não dá para ter dúvidas, apesar do começo de H&C que a gente cai de paraquedas e é tudo a 200km/h eu não tenho dúvida de que o melhor shoujo nas bancas nos dias atuais é Honey & Clover (considero inclusive melhor que Nana). Honey & Clover você pode correr o risco de não gostar, mas o risco é baixo, a grande maioria das pessoas se apaixona perdidamente pela história lá pelo volume 2 ou 3.

Júh disse...

Quando eu avistei esse mangá eu pensei que fosse uma história depressiva ,mas acabei comprando para ver se era bom e obtive um resultado excelente,apesar da história ser simples eu gostei.
Há mangás que tem capa interessante mas quando compro e leio da vontade de rasgar como o Vampire Knight tá um saco!
Me desculpe os fãs de VK (Eu também sou fã) mas ele decepcionate já devia ter sido concluído.
Mas eu espero Hoshi Wa Utau não se eleve o mesmo patamar de VK!

Kuroi disse...

Hoshi wa Utau foi concluído recentemente no Japão com 11 volumes, então acredito que não esteja ruim como Vampire Knight.

ร¢ђмэяž disse...

Então... Eu tenho até o quarto mangá, e to desesperada porque não sei quando vai sair o 5 TT_TT A panini "trancou" o projeto ? '-'

Kuroi disse...

Está atrasado, mas não está cancelado. Também acho chato esse atraso justo agora que o mangá está ficando muito bom.

Honey disse...

Eu estava com a mesma dúvida da leitora acima, ainda bem que eu não perdi o vol. 5. Uffa!
Obrigada por esclarecer.

Anônimo disse...

Então gente, estou na duvida se compro este mangá ou não, esperava que ele fosse tão boom quanto furuba, mas pelo que parece não é. Quanto a H&C nunca li o manga mas já vi o anime, todo ele e confesso que fiquei bem decepcionada com o anime esperava mais, muito mais pelo tanto que falavam, acho que o final poderia, ou melhor deveria ter sido melhor trabalhado porq ficou um pouco confuso, mas por já ter visto o anime e não ter gostado muito eu não compraria o mangá :/

Kuroi disse...

Hoshi wa Utau/As Estrelas Cantam n/ao é nenhum Furuba e o começo da história realmente é lento, mas se desenvolve muito bem e no volume #04 (último lançado) estava ótimo.

De qualquer forma eu prefiro MUITO mais o Honey & Clover, esse é um dos meus mangás favoritos, está com certeza no top10 e talvez no meu top5.